A Associação de Assistência de São Paulo inaugura em Lisboa unidade para reintegrar sem-abrigo
259g0vk.jpg

Quarta-feira, 01 de Julho de 2015

Inaugura, esta quinta-feira (02), em Lisboa, uma Unidade Integrativa para a Pessoa em Situação de Sem-Abrigo cujo objetivo é devolver condições de vida dignas à população em risco da capital portuguesa. O projeto, da responsabilidade da Associação de Assistência de São Paulo (AASP), vai acolher e apoiar os sem-abrigo para os encaminhar, depois, para um alojamento definitivo.
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, a AASP conta que o novo espaço, localizado na Quinta do Lavrado, em Lisboa, vai funcionar segundo "um modelo de acolhimento e de intervenção" únicos, oferecendo aos "indivíduos com um historial de rua" apoio médico, psicológico, social, jurídico e financeiro, bem como formação em várias áreas.
 
A instituição, capacitada para receber até 16 utentes, estará aberta 24 horas por dia, "como resposta complementar a soluções de alojamento noturno ou de atividade e formação diurna já disponíveis", revela a associação, que quer "criar um espaço seguro para os utentes" e está, também, disponível "para receber casais e indivíduos com animais de estimação", que, com frequência, criam laços de grande proximidade com a população sem-abrigo.
 
"Além de poderem ficar aqui alojados durante a noite e de aqui poderem fazer a sua alimentação e higiene, os utentes vão contar com uma equipa de especialistas que possibilita o acompanhamento ao nível de saúde, apoio psicológico, social, jurídico e financeiro, complementado por formação curricular e comportamental", explica Luís Espírito Santo, presidente da APSS.
 
"Queremos que os utentes encontrem aqui todas as condições para conseguirem, através de apoio especializado, transformar efetivamente a sua condição e dar um novo rumo à sua vida", acrescenta o responsável.

Novo espaço vai funcionar 24 horas por dia na Quinta do Lavrado, em Lisboa

Triagem de utentes feita por equipas de rua
 
Com vista a facilitar esta transformação, a unidade planeia disponibilizar a pessoas em situação de sem-abrigo os elementos necessários a uma vida organizada, nomeadamente em termos de documentação, segurança social, situação financeira e bancária, no período de um mês a contar da chegada, e assegurar a passagem para habitação definitiva ao fim de três meses.
 
Segundo a AAPS, todo o processo de acompanhamento, que se inicia com a triagem dos casos no terreno por equipas de rua, vai ser desenvolvido por um conjunto de profissionais especializados,  desde Psicólogos a Assistentes Sociais, Enfermeiros e Médicos.
 
O espaço terá, também, as portas abertas às "vítimas de violência ou apenas a quem precise de apoio", bem como "a instituições com poucos recursos que pretendam desenvolver eficazmente o seu trabalho e que para isso necessitem de um local para o fazer de forma adequada".
 
A escolha da Quinta do Lavrado, antiga Curraleira, para a inauguração desta Unidade Integrativa está relacionada com o trabalho já realizado naquela zona pela AAPS, que tem procurado valorizar e conservar os equipamentos públicos ali existentes, bem como assegurar uma melhoria da segurança.
 
"O início de atividade da Unidade Integrativa torna-se o passo seguinte deste trabalho, numa ação que se insere nas comemorações do centenário da AASP", informa a associação.
 
A Associação de Assistência de São Paulo (AASP) nasceu em 1912 com o objetivo de proteger e auxiliar as pessoas com necessidades ao nível de saúde na cidade de Lisboa. Depois de longas décadas em funcionamento no Cais do Sodré, a instituição mudou-se, em 2009, para a Curraleira, atual Quinta do Lavrado, "um bairro social crítico" que necessitava de "assistência pronta e ambiciosa".