Experiências no marco da CÚPULA DOS POVOS, Lima- Peru
dsc_0219.jpg

Queridos amigos,

A ONG Thydêwá quer agradecer vosso convite para vivenciarmos juntos uma semana de experiências no marco da CÚPULA DOS POVOS, Lima- Peru; de 6 a 12 de Dezembro de 2014.

Por um lado queremos agradecer a hospitalidade e o carinho recebido que nos permitiu se enriquecer com as trocas humanas da nossa convivência. Conhecer e reconhecer parte de Peru e parte de seu povo foi, por uma parte, identificarmos a mesma matriz social que a do nosso Brasil, com as vezes as mesmas problemáticas e soluções e, outra vezes, com tons bem diferentes que também nos aportaram visões de vida. Nesse sentido foi bom termos chego no sábado à noite e termos então o domingo para conhecer Lima e em especial uma comunidade local distante e desde muitos aspectos excluída. Conhecemos nessa comunidade um pouco de umas iniciativas locais apoiadas pela ATD. Terminamos o dia com a visita guiada à um Museu de renome, primeira vez que meu companheiro indígena participava de uma aventura dessas.

Na segunda feira participamos de um Encontro Tripartite: América Latina – Europa e China; para nós moradores do Brasil foi interessante completar a nossa visão regional com as partilhas de nossos irmãos latinos; ao mesmo tempo que interessante conhecer as opiniões dos europeus presentes e, como surpresa, foi a primeira vez que nossa instituição vem conhecer chineses e suas expressões. Sentimos bem diferentes as três polaridades e percebemos as possibilidades de enriquecimentos mútuos quando da união alquímica dessa nossas diferencias e experiências.

Na terça feira, fomos para a CÚPULA chamados por uma Oficina sobre saberes indígenas tradicionais e cambio climático; chegando no local éramos só seis pessoas e como o “palestrante” não compareceu, autogestionamos uma conversa em círculo e fizemos importantes trocas. De indígena só tinha meu companheiro Atiã Pankararu, quatro antropólogos dois peruanos, um sueco e um suíço, e eu; todos nós com experiências bem diferentes. Pela tarde acompanhamos um grupo de lideranças campesinas e indígenas da América Latina que partilhava suas situações referindo-se a criminalização das lideranças comunitárias que defendem a Natureza.

Até terminar a Semana tivemos ainda três importantes momentos de destaque: uma conversa “interna” entre todos os convidados da ATD que estamos em hospedados juntos na sede Lima, onde tivemos a especial chance de conversar com o Sr. Apolinar, o Sr. Felix, o Humberto e todos, recapturando as conversas informais que tínhamos partilhado durantes as refeições dos dias anteriores e preparando o que seria nossa partilha “agendada” na CÚPULA. O tema da identidade indígena e o tema do lixo foram centrais, as desculpas para nos aprofundar nas relações humanas entre nós e no desenho do mundo que queremos. Depois fizemos sim essa roda aberta com o público e interagimos com os presentes.

Destacamos também a participação de nosso grupo na caminha popular e massiva onde marchamos com diferentes grupos e ouvimos as diferentes propostas. Atravessamos a cidade de Lima em mutirão cidadão, cantando para o mundo nossos desejos; muitas músicas e um único ritmo: o pulsar da Mãe Terra.

Para finalizar queremos destacar a nossa “visita” a comunidade da VIZCACHERA. Uma gigante “favela” em uma montanha de pedra, uma comunidade que sobrevive sem o serviço de agua potável há trinta anos. Uma comunidade excluída de seus direitos que batalha pela vida digna de seu povo.

A nossa gratidão pelo vosso convite é infinita, na mesma proporção, do que crescemos como pessoas.

Abraços,

Sebastián Gerlic
Presidente da Thydêwa

www.thydewa.org